terça-feira, 28 de setembro de 2010

Existências

A notícia da abundância de ouro no Brasil colônia circulava por todas as sociedades e eu estava cansado e precisava de novos ares. Então decidi me aventurar pelas terras brasileiras. Assim que pisei na fofa areia da praia pude sentir sua presença.
Segui para as minerações e como no século XVIII, 70% da população mineira era representada por escravos trazidos do nordeste, algo me dizia que você poderia ser um deles. Não errei e fui te encontrar num dos novos quilombos formados, o do rio das Mortes, em Minas Gerais.
Mas não era uma escrava negra e sim uma indiazinha bem retraída, apesar das vestes típicas e minúsculas. Sua sorte era ser a protegida de Firmino. Aliás, esse foi um enorme problema para chegar até você. Levei semanas para ganhar a confiança do homem e meses a fio para conseguir a sua, Ever.
- E qual era o meu nome nessa época?
Buriti, mas Firmino a chamava carinhosamente de Eçapira. Era no mínimo curioso tudo isso.
Passamos a namorar as escondidas e bem devagar. A época pedia certo polimento e você, como já disse, era bem retraída. Mas nada se compara aos anos 60, você me enlouquecia. Com certeza uma história para outro dia.
Eu sempre esperava pelos nossos encontros e armava planos cada vez mais mirabolantes para que eles acontecessem. Até que um dia, eu estava tão mergulhado em suas palavras e risos, que nem percebi a presença de Firmino, que nos flagrou, te arrastou com ele e me jurou de morte. Você ficou desesperada e eu disse que tivesse calma. Mas eu estava errado, devia ter ido atrás de vocês e não esperado ele esfriar a cabeça.
Hoje sei quem a matou, mas antes não fazia idéia, acusei-o.
Na segunda metade do século XVIII, a mineração entrou em decadência e a vida de Firmino também. Permaneci no Brasil até a primeira metade do século XIX, fase conhecida hoje como Renascimento Agrícola no país. Parti para a Europa com, bem, não vale a pena falar disso.
- Você sempre me amou mesmo, de qualquer jeito, em qualquer forma.
Você é o amor da minha existência, Ever.





***
Buriti :Indígena :Árvore Da Vida.
Eçapira :Indígena :O Que Se Procura.

2 comentários:

Camila Lemos disse...

Muito legal o conto :)

Gi. disse...

Obrigada!
;) bjs***