terça-feira, 3 de agosto de 2010

Ampliação

Sugado pelas mãos do descaso
Ignorado pelo cangaço
Punido pelo cansaço
Preso pelo acaso
Foge pelos becos da cidade

Nas dimensões alcançadas
Pensavas ser ela
Da prece cigana indicada
Coçou a mão
Mas nada mudou se não o chão

De terra capim, cinza cimento
Paralelepípedo, espelho do céu

Sincronizou a vida com o relógio da morte
Na ajuda financeira encontrou o desespero
Passou assim sem importar a sorte
Simbologias registradas no bueiro
De milênios atrás massacrados e desvendados
Pela metade supondo corretos os significados
Fracassaram

Infiéis crédulos no amanhã do dia seguinte
Buscam incansavelmente o contido na caixa de Pandora
Conteúdo coleção de Fênix
Defendida com os próprios dentes.
*

4 comentários:

A.S. disse...

Gi...

Belo o teu poema!
Tem força e uma linda expressão poética!


BeijOOO
AL

Gi. disse...

Mt obrigada, AL!!!!!
Sua visita será sempre mt bem vinda!
;) bjs***

Elaine Gaspareto disse...

Gi,
Você comentou no blog que não encontrou o lugar certo para inerir sua assinatura.
Por favor releia o post e veja se não esqueceu de marcar a caixinha expandir modelos de widgets.
Dei uma olhada em seu código fonte e o tracho existe dentro dele. Para encontrar com facilidde use Ctrl+f e daí é só seguir o tutorial do meu blog. Espero ter ajudado.
Beijo

Caio Murdock disse...

Olá, venho fazer um convite, para conhecer Derin e Shard - Contos de uma Andarilha, um novo universo fantástico, criado, escrito e ilustrado por Anerol Sevla, com aventura, romance, suspense e mistério. Uma série em capítulos, recentemente publicada no blog LugarDistante, acesse:

http://lugar-distante.blogspot.com/search/label/Contos%20de%20uma%20Andarilha

Essa faz parte de um pacote de novidades recentes no LugarDistante: http://lugar-distante.blogspot.com/

Até a próxima!